FEIAvinte

de 06 a 13 de outubro de 2019

feia : festival do instituto de artes

O FEIA nasceu na UNICAMP > Barão Geraldo > Campinas > São Paulo > Brasil > América Latina, na virada do milênio por iniciativa de estudantes de diferentes cursos da UNICAMP. Ao longo desses vinte anos de trajetória o festival vem construindo espaços de valorização e difusão das artes através da autonomia e organização estudantil, reconstruindo artística, política e afetivamente o espaço da universidade. Essa organização autônoma se dá por uma equipe rotativa, que se renova a cada ano e permite que estejamos sempre dialogando com as demandas e urgências do agora. Tudo isso num contexto de cortes de verba destinada à educação, desde a infantil até pós-graduação. Esse sucateamento e desmonte da educação pública no país é um projeto que não é de hoje e que ameaça constantemente a existência do Festival e da própria universidade pública.
Pegamos nossas ferramentas e construímos com nossos braços e afetos a materialização daquilo que acreditamos: um espaço de troca de experiências, olhares, saberes, referências, linguagens, trabalhos, abraços e de tudo que couber. O que desejamos é movimento, assim, oferecemos uma semana movimentada com espetáculos, shows, oficinas, exposições, instalações, intervenções, mostras, exibições, rodas de conversa, festas, dança, teatro, música, performance, artes visuais, circo, fotografia, audiovisual e ações educativas/formativas, tudo isso gratuitamente e em diferentes pontos da cidade de Campinas.

Só com movimento derrubamos os muros invisíveis ou bem visíveis da universidade pública, reinventando um espaço de saberes múltiplos. O FEIA nos propõe deslocamentos do nosso lugar, propõe uma desierarquização dos conhecimentos, e mostra que a universidade pública é um espaço de todas, todos, todes, por direito, e deve ser ocupado também com produções artísticas vindas da comunidade não acadêmica.

Hoje, com vinte anos ininterruptos do evento anual, O Julgamento, a carta XX do Tarot que indica um novo ciclo de vida, anuncia a necessidade de uma reavaliação, um check-up geral e de estar à altura dos desafios apresentados. É preciso saber de onde viemos para saber para onde ir; é preciso ver ancestralidade no futuro e futuro na ancestralidade; é preciso escolher qual caminho vamos tomar. Neste caminho, de mãos dadas, numa rede de afetos forte e resistente, nadamos contra a correnteza do conservadorismo, fazendo existir e resistir um festival artístico num cenário esmagador para as classes estudantil e artística.

Resistimos e resistiremos. E é nesse vigésimo ano de história que desejamos nos enxergar como parte de um ‘nós’ cada vez mais plural, reafirmando nossa existência de maneira crítica e construindo coletivamente o espaço em que queremos estar. Foram dezenove anos de caminhada para chegar na encruzilhada – diferentes trajetórias se cruzam e se encontram no FEIAvinte. A encruzilhada nunca é um fim mas um ponto de partida para um novo desconhecido.


ESTAMOS NO PONTO DE INTERSECÇÃO.

programação

legenda
artes visuais
mídia
ações formativas
interdisciplinar
música
artes cênicas
dança
Feira FEIA
13:00 - 19:00
Local: Vão do PB
Classificação: Livre

A Feira Feia é a segunda feira de publicações independentes do festival. Onde artistas, coletivos e editoras de pequeno porte, vão expor e vender suas publicações, artes gráficas e impressas.

Instrumentália
17:00 - 18:00
Local: Teatro de Arena do CB
Classificação: Livre

Diversos ritmos da cultura acá tupiniquim misturados à psicodelia do rock progressivo. Tudo imerso em muita poesia. A Instrumentália busca no sincretismo da música brasileira o tempero próprio para compor o mais tupiniquim dos rocks. No palco a banda apresenta composições próprias e homenageia suas influências, remusicando obras do tropicalismo e do rock rural brasileiro.

Trança
Ava Rocha
18:40 - 20:00
Local: Teatro de Arena do CB
Classificação: Livre

Trança é uma trama de múltiplos fios, um enfeite dos cabelos, uma maneira especial de produzir o pão. Trança é também o título do terceiro disco da cantora carioca Ava Rocha, que se caracteriza pelo equilíbrio entre o poder das canções, a mistura de estilos e a sonoridade ousada, experimental. Trata-se de um trabalho costurado por forças múltiplas, que se conjugam para criar texturas percussivas exuberantes, sonoridades elaboradas, formadas por baixo, bateria, guitarras, percussões diversas (ilu, rumpi, cuíca, conga), samples e sintetizadores.

Nano Circo
17:00 - 21:00
Local: Praça do Ciclo Básico
Classificação: Livre

Performances circenses permeando toda a noite de abertura do FEIAvinte

Bloco Cupinzeiro
20:30 - 21:30
Local: Teatro de Arena do CB
Classificação: Livre

Com 18 anos de existência, o Núcleo Cupinzeiro é um coletivo de músicos que trabalha com pesquisa e criação voltadas para a tradição da música popular brasileira. Desenvolve atividades que incluem diversos aspectos do fazer musical: shows, rodas e oficinas, nos quais apresenta um pouco da memória do samba sob novas interpretações e arranjos, mantendo sempre diálogos vivos com a tradição.

deslocamentos de afetos
Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli
11:00 - 15:00
Local: Instituto de Geociências
Classificação: Livre

Nessa exposição itinerante, temos interesse em expandir nossos espaços e contribuir de maneira coletiva à universidade. Traçando linhas de percursos, Deslocamento de Afetos encontra quem cruzar esse caminho. Com artistas de Campinas e da graduação de Artes Visuais, a exposição conta com pinturas, livro de artista, litogravuras, objetos escultóricos e recursos digitais, todas com objetos táteis e/ou narrativas (recursos de acessibilidade). As artistas Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli foram curadas por Elis László, Larissa Mendes, Pedra, Victor Santos e Rachel Zuanon Dias. Convidamos todas a nos encontrar no ponto de interseção.

Essa exposição conta com monitoria e objetos táteis que permitem a pessoas cegas experienciar as obras

Identidade
Victor Wrany
12:30 - 13:50
Local: Entrada do RU
Classificação: Livre

O cantor e compositor Victor Wrany e sua banda interpretam canções autorais, num show pautado pela temática da própria Identidade, com arranjos com influencias da mpb, música latina e Jazz.

A Cena Delas: versões do feminino em desmontagem
Nata e Ana Flávia Felice
14:00 - 15:10
Local: AC11
Classificação: 18 anos

‘A cena delas: versões do feminino em Desmontagem’ reúne dois processos de desmontagem cênicas – Estilhaços, de Natacha Dias; e Um Grito, De Ana Flávia Felice – ambas com orientação de Ana Cristina Colla e Raquel Scotti. Percorrendo por linguagens e poéticas distintas, as cenas colocam em questão a discussão sobre os femininos, reconhecendo suas múltiplas identidades e subjetividades.

Concerto de Violão Solo
Camilla Silva
15:00
Local: Enfermaria de Psiquiatria do Hospital das Clínicas
Classificação: Livre

A doutoranda em Música pela UNICAMP, Camilla Silva apresenta seu concerto de violão solo para os internos da Enfermaria de Psiquiatria da universidade e pra quem mais quiser chegar.

Exposição Cuidado
Paula Chimanovitch e Mariana Gonçalves
de 07 a 11/10
Abertura 07/10 às 15:00
Local: AC03
Classificação: Livre

A exposição traz obras tridimensionais de Mariana Gonçalves e Paula Chimanovitch, artistas visuais formadas pelo Instituto de Artes da Unicamp. Por meio do contraste entre texturas perigosas e convidativas os trabalhos das duas artistas trazem aspectos complementares do mesmo interesse visceral. As instalações convidam o corpo a experimentar a dualidade do que é íntimo através do toque, percorrendo os espaços construídos pelo aconchego e pela dor . A linha tensionada entre o que é gentil e agressivo.

Essa exposição conta com objetos táteis que permitem a pessoas cegas experienciar as obras e monitoria das 12:00 - 14:00 durante a semana

Mostra Curta: Real e Imaginário + debates
16:00 - 18:00
Local: Sala de Cinema da Casa do Lago
Classificação: 12 anos

Coletânea de curtas selecionados que abordam gênero documental e ficcional.

Mostra Fotográfica "Corpos no mundo"
de 07 a 11/10
Local: Biblioteca do IB
Classificação: Livre

Na altura, a perspectiva se expande e os desejos surgem. Eles parecem próximos, mas a distância é percebida pela seca. A brisa úmida não chega até aqui. Obstáculos surgem e desfazem os eixo. Como se reerguer sozinha?

No Hay Banda, É Tudo Playback
Grupo VÃO
18:00 - 19:00
Local: Marco Zero
Classificação: Livre

'No Hay Banda, É Tudo Playback' é uma aparição. Subitamente as artistas surgem no espaço em meio ao público e performam através do dispositivo de dublagem Lip Sync hits remixados dos anos 90. Interessadas no universo paradoxal da cultura pop, que é ao mesmo tempo massificadora e provocadora, a playlist selecionada tensiona essa relação a partir de um recorte nacional e internacional de músicas interpretadas por mulheres. Os hits contagiantes costuram em sua dramaturgia elementos do contexto cultural dos anos 90, momento com forte presença da televisão e seus programas de auditório e maior abertura às influências norte-americanas provenientes do avanço neoliberal nos aspectos político e econômico. 'No Hay Banda, É Tudo Playback' mobiliza a sensação ambígua de familiaridade e incômodo que vaza e desloca, de um estado festivo para um estado ácido, nossas percepções e referências.

Esta atividade conta com recurso de audiodescrição

Sobre o que Desaba e que Não Sei Dizer
Claudia Millás
18:40 - 19:20
Local: AC00
Classificação: Livre

Este trabalho autoral de dança parte da pesquisa desenvolvida por Cláudia Millás sobre apoios corporais, inversão de eixo e utilização do espaço vertical, em que o chão se torna parede e a parede, chão. Instiga-nos a refletir sobre o que podem ser os muros e como, quem sabe, podemos transformá-los em pontes. Inverte o olhar do público e brinca com as relações espaciais. De ponta cabeça, sob outra perspectiva, seria possível reformular um problema?

Mesa de debate: Processos de Formação Profissional dentro de Festivais de Artes com FEVERESTIVAL
Alice Possani, Bruna Schroeder, Carolina Gasquez e Cynthia Margareth
14:00 - 16:00
Local: AP10
Classificação: Livre

Os festivais de arte são importantes espaços formativos, não só para o público, mas principalmente para sua equipe. Nesta mesa, falaremos sobre como integrar a equipe de produção de um festival pode reverberar na vida profissional dos produtores envolvidos e sobre as diferentes abordagens pedagógicas que cada festival escolhe para aprofundar essa questão. A conversa será guiada a partir dos cases Feverestival - Festival Internacional de Teatro de Campinas e FEIA - Festival do Instituto de Artes da Unicamp.

Caso de Matraca
Coletivo Canjicas
19:30 - 20:40
Local: AC04
Classificação: 10 anos

Povo de Itaguaí, nossa vila está à beira de uma revolução! Preparem-se, pois "a ciência tem o inefável dom de curar todas as mágoas" - já diria nosso ilustre médico, Simão Bacamarte, que retornou para nos trazer o progresso diretamente das terras europeias. A Casa Verde, primeira casa de orates do Brasil, será inaugurada em breve, e a Câmara convoca todos a fazer parte deste momento que mudará o curso de nossa história! Baseando-se no conto "O Alienista", de Machado de Assis, o Coletivo Canjicas de Teatro apresenta "Caso de Matraca", uma adaptação que se fundamenta na perspectiva do povo itaguaiense sobre a história da Casa Verde.

Esta atividade conta com recurso de audiodescrição

RAP na Paz
Local: Teatro de Arena da Praça da Paz
Classificação: Livre

Negga
19:30 - 20:00

PRETA RICA - Uma apresentaçao para empoderar mulheres de todos os jeitos.


Rajja
20:00 - 20:30

Artista movimentado pela expressividade do ser humano, MC Rajja traz na sua poética abordagens existênciais e canaliza sua música para o desenvolvimento da consciência.


Paulo Microfonia
20:30 - 21:00

MUDANÇAS, NOVIDADES, SURPRESAS: POSSIBILIDADES: uma apresentação que resgata a sonoridade noventista tanto no instrumental quanto no conteúdo escrito, de forma poética e crítica.


RISCO
21:00 - 21:30

Risco, rapper antes conhecido como FD3, apresenta seu breve espetáculo "Negro do Mundo Lunar", composto pelas faixas do EP recém lançado de mesmo nome. A apresentação também conta com faixas do álbum de 2017 e recentemente relançado "Contraste".

LUCAS TRIO
12:30 - 13:50
Local: Vão do IFCH
Classificação: Livre

O LUCAS TRIO é um grupo formado por três jovens estudantes do curso de música da Unicamp. Formado por Lucas Carrasco (guitarra), Lucas Rosseto (piano) e Lucas Slanzon (bateria), o trio tem como proposta apresentar composições e arranjos de peças da música popular em formato jazz.

Construção de Painel Coletivo
Rajja
14:00 - 18:00
Local: Maloca Arte e Cultura
Classificação: Livre

A maloca arte e cultura é muito mais que um centro de cultura, é uma oportunidade para ressignificar as relações e construir uma nova forma de pensar e agir coletivamente a partir de troca de saberes entre gerações, rodas de conversa, cursos, plantio entre muitas outras atividades. E é claro que não seria diferente com a arte, no dia 08/10 um artista do coletivo da maloca se propôs a realizar um painel coletivo com os participantes interessados com a intenção de mesclar e criar estilos e traços, revitalizando os muros da casa. A maloca irá ficar muito feliz em recebê-los aqui.
*Trazer roupa velha que possa sujar

Mesa de debate: da Tradição ao Amanhã: O Negro na Literatura de Cordel
Ronaldo Vitor da Silva
14:00 - 17:00
Local: Maloca Arte e Cultura
Classificação: Livre

Há uma participação negra na literatura de cordel? Se sim, no que é interessante a retomada desse assunto? A oficina propõe uma roda de conversa onde serão discutidas as questões, dilemas, participações e representações negras na literatura de cordel e na poesia popular, assim como importância das atuais reivindicações feitas sobre o tema.

Desfile com Cósmica Brechó
18:10 - 18:30
Local: Maloca Arte e Cultura
Classificação: Livre

Desfile com peças da Cósmica Brechó e do brechó da Maloca Arte e Cultura. A venda das roupas é para arrecadar fundos que permitam a manutenção do espaço independente Maloca.

Mostra Longa: "Selvagem" + debate
Diego da Costa
18:30 - 20:15
Local: Maloca Arte e Cultura
Classificação: Livre

Sofia tem um objetivo muito claro: passar no vestibular, achar um emprego e sair de casa. Porém, quando a escola onde estuda é ocupada pelos seus amigos e colegas de classe, ela se vê em um dilema entre continuar estudando sozinha ou compartilhar seu conhecimento na transformação da escola.

ClaroEscuro
Cia Estável de Repertório
19:30 - 20:15
Local: Maloca Arte e Cultura
Classificação: Livre

Compartilhando o mesmo espaço, artistas e público imergem juntos em um universo sensível e intimista, onde questionamentos a respeito da vida, e suas reviravoltas banhadas de ondas, expressam desejos de amor, liberdade, tranquilidade e emancipação em meio a uma sociedade que muitas vezes nos sufoca, nos cerceia, nos afoga. Da partilha da subjetividade, o encontro transborda em possibilidade de transformação, trazendo na ação coletiva outras formas de ser. Este navegar perpassa um processo composicional coletivo interdisciplinar, que se manifestou em textos, músicas e cenas autorais, além de canções do repertório da Música Popular Brasileira.

TU
Tulipa e Gustavo Ruiz
20:40 - 21:40
Local: Maloca Arte e Cultura
Classificação: Livre

TU, com letra maiúscula. Em capslock para acentuar a grafia da palavra e assim mergulhar em seu significado. TU sou eu e é você. TU é a gente. Tu também é dois. Two. Eu e Gustavo, meu irmão e parceiro musical. Tu é para. É oferenda. A ideia do disco nasceu a partir de uma gira que fizemos voz e violão, formato que eu gosto de chamar de “nude”, porque é como se as músicas estivessem peladas. Tocar as músicas desse jeito nos aproximou da espinha dorsal de cada canção. [RUIZ, Tulipa]

deslocamentos de afetos
Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli
11:00 - 15:00
Local: Hospital das Clínicas
Classificação: Livre

Nessa exposição itinerante, temos interesse em expandir nossos espaços e contribuir de maneira coletiva à universidade. Traçando linhas de percursos, Deslocamento de Afetos encontra quem cruzar esse caminho. Com artistas de Campinas e da graduação de Artes Visuais, a exposição conta com pinturas, livro de artista, litogravuras, objetos escultóricos e recursos digitais, todas com objetos táteis e/ou narrativas (recursos de acessibilidade). As artistas Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli foram curadas por Elis László, Larissa Mendes, Pedra, Victor Santos e Rachel Zuanon Dias. Convidamos todas a nos encontrar no ponto de interseção.

Essa exposição conta com monitoria e objetos táteis que permitem a pessoas cegas experienciar as obras

Refazendo
Pra Desarrumá
12:30 - 13:30
Local: Entrada do RU
Classificação: Livre

Show com canções de Gilberto Gil e Caetano Veloso, re-experimentadas numa mistura de ritmos e timbres. Com arranjos concebidos a partir de uma vontade de criação e identidade, intencionalmente ou não, nos voltamos para a confusão de tantos entre a tradição e o contemporâneo. Mas à nossa maneira. Pra Desarrumá é composto por guitarra, baixo, bateria, voz e nós.

Mesa de debate: A Arte Moderna Já Nasceu Antiga
Denilson Baniwa
14:00 - 16:00
Local: Auditório da Adunicamp
Classificação: Livre

As populações indígenas influenciaram a arte brasileira mas nunca protagonizaram a história da arte. Artistas indígenas estão ocupando lugares e recontando a história do Brasil através de produções que podemos considerar um novo caminhar de representatividade e uma nova antropofagia da arte, unindo conhecimentos ancestrais como os grafismos e o tempo circular com técnicas artísticas e tecnologias digitais.

Boneka
Kara Catharina
15:30 - 15:45
Local: AD06
Classificação: 14 anos

Qual foi a última vez que você se olhou no espelho e sentiu que havia alguma coisa estranha, quase como se você não se reconhecesse 100%? Um corpo nu. Uma Ofélia trava. A aquendação da neca. O corpo é violentado para poder estar em paz. Se coloca em risco pra viver em segurança. Esconde pra poder mostrar. É uma dissecação. A intersecção entre o que se vê, o que vêem e o que se permite. A quem se permite.

Esta atividade conta com recurso de audiodescrição

Quando os Corpos Dizem Não
Henrique Hokamura
16:00 - 16:30
Local: AD06
Classificação: Livre

“Quando os corpos dizem não” é uma dança-instalação que reflete a partir de sutilezas o pensamento da artista Mondzain. Estamos vivendo um período de relaxamento generalizado de mentes e corpos? Talvez. Frente ao sono político que entorpece todas as faculdades do sonho. Digo “levante” e tenho a impressão de ouvir um rumor distante, tão distante que não sei bem se é retorno jubiloso de uma velhíssima lembrança ou o último murmúrio de uma voz que se afasta e vai se apagando para nunca mais voltar.

Esta atividade conta com recurso de audiodescrição

Pré-estreia: A Vaqueira
Pamela Leoni
18:00 - 19:00
Local: Praça do Coco (tem graça na praça)
Classificação: Livre

No espetáculo, a palhaça Papoula abre o cercado de sua fazenda para mostrar Abemila: a vaca de 18 bilhões de anos! Vaca nascida em um tempo antes do tempo, vaca dançante, vaca de opinião! Junto à Abemila, Papoula recria a Via Láctea, testemunha o milagre do milho, rege o público em uma incrível sinfonia rural, toca sua sanfona de pompa e canta aboio, ópera bovina, rock de grãos e sertanejo de raiz!

Esta atividade conta com recurso de audiodescrição

MPBossas por Ella
Mariella e Maurício Guil
18:00 - 19:00
Local: Bosque da Economia
Classificação: Livre

Mariella revisita o repertório que cantou durante sua graduação na Unicamp trazendo grandes clássicos da música brasileira numa interpretação pessoal e intimista.

Regina Machado
19:00 - 20:00
Local: AD01
Classificação: Livre

A cantora e compositora Regina Machado, Professora do departamento de Música, apresentará seu trabalho autoral contando com a participação especial de alguns convidados.

Episódio I: Uenda - congembo (morrer)
Ponte Elemento Per
19:00 - 20:15
Local: AC04
Classificação: 14 anos

“Episódio I: Uenda-congembo (morrer)” foi criado com o apoio da Bolsa Funarte de Fomento para Artistas e Produtores Negros, em 2016, e inaugurou as ações criativas da plataforma “Garimpar em Minas Negras Cantos de Diamante”, que desenvolve uma pesquisa criativa em torno dos vissungos, cantos afro-diaspóricos de origem Bantu, ocorridos na região do Alto Jequitinhonha/MG. Este espetáculo solo trata das tensões étnicas e da busca de identidade cultural vividas na contemporaneidade. Tendo como pano de fundo o ambiente da mineração do diamante e as procissões dos enterros - práticas sociais onde os vissungos aconteciam - e em meio ao jogo entre memórias pessoais, dados históricos e metáforas poéticas - é traçado um caminho de reconstrução da relação entre ancestralidade e atualidade.

Entremeios
Matheus Crippa
20:00 - 21:00
Local: Macunaíma Pizza Popular Brasileira
Classificação: Livre

"Entremeios" é composto pelo repertório majoritariamente autoral do artista Matheus Crippa, que reúne ritmos da cultura popular afro brasileira ao universo da canção. O embalo do samba canção, o balanço do samba reggae, o alento do ijexá e a força do aguerê, combinados com o arranjo dos instrumentos harmônicos é a essência da sonoridade do show. O tema das músicas retratam as angústias pessoais.

Sarau Palavra à Margem
Coletivo Palavra à Margem
21:00 - 23:00
Local: Vão do IA
Classificação: Livre

O intuito do Palavra à Margem é dar espaço para os artistas independentes de Campinas e Região manifestarem a sua arte, fomentando a cultura de onde a maioria dos autores são pessoas pobres e periféricas, para dentro dos espaços de convivências universitárias como a Moradia Estudantil da Unicamp ou o campus universitário. Entendemos que o compartilhamento de informações entre diferentes classes em espaços universitários são precários e quase inexistentes. O objetivo é usar da estrutura do Sarau como luta e subversão de uma educação formal estruturada, racista, preconceituosa e que não contempla de fato as dificuldades e necessidades de alunos pobres e periféricos. Para, com isso, despertar a educação não formal, encorajar o compartilhamento das realidades que essa população vive através de sua arte e, assim, quebrar as barreiras e estereótipos que cercam a periferia, tomando os nossos espaços por direito.

deslocamentos de afetos
Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli
11:00 - 15:00
Local: IMECC

Nessa exposição itinerante, temos interesse em expandir nossos espaços e contribuir de maneira coletiva à universidade. Traçando linhas de percursos, Deslocamento de Afetos encontra quem cruzar esse caminho. Com artistas de Campinas e da graduação de Artes Visuais, a exposição conta com pinturas, livro de artista, litogravuras, objetos escultóricos e recursos digitais, todas com objetos táteis e/ou narrativas (recursos de acessibilidade). As artistas Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli foram curadas por Elis László, Larissa Mendes, Pedra, Victor Santos e Rachel Zuanon Dias. Convidamos todas a nos encontrar no ponto de interseção.

Essa exposição conta com monitoria e objetos táteis que permitem a pessoas cegas experienciar as obras

A música de Guinga
Duo Mangabeira
12:00 - 13:00
Local: Cantina do Gatti (FEF)
Classificação: Livre

Duo Mangabeira homenageia o compositor Guinga com uma apresentação musical feita com arranjos para duo de violões.

Leandro Tupãzinho
12:30 - 13:00
Local: Entrada do RU
Classificação: Livre

Show de música sertaneja indígena.

Mostra Curta: Corpo e Arte
14:00 - 16:00
Local: Cine IEL
Classificação: 12 anos

Coletânea de curtas selecionados que abordam vídeo-arte, corpo e performance.

Mesa de debate: Censura e Invisibilização no Ambiente da Dança
João Nascimento e Julio Dojcsar (Grupo Treme Terra)
14:00 - 16:00
Local: Estúdio da Midialogia
Classificação: Livre

A partir da trajetória de 11 anos do Grupo Treme Terra, a discussão e construção de políticas públicas de acesso a espaços de apresentação, financiamentos e a disputa de pensamento na construção do contemporâneo na dança. Quais os corpos que dançam hoje? Velhos novos códigos ocupando os palcos. Democratização do ensino. Com João Nascimento diretor artístico e Julio Dojcsar cenógrafo do Grupo Treme Terra.

Unicamp Cello Ensemble
18:00 - 19:00
Local: IMECC
Classificação: Livre

Fundado em 2013 no Instituto de Artes na Unicamp pelo professor de cello Lars Hoefs, o Unicamp Cello Ensemble é uma orquestra de violoncelos sem regente composta por Lars e seus alunos de violoncelo. Em 2018 um octeto do ensemble apresentou vários concertos na California durante o quarto Villa-Lobos International Chamber Music Festival, colaborando com violoncelistas da Los Angeles Philharmonic e orquestras de cinema de Hollywood.

Canto Lírico em Diáspora
Dudu Orin
19:00 - 20:00
Local: AD06
Classificação: Livre

O espetáculo está em sua 9ª edição, tem duração de 1h e é extremamente dinâmico e interativo. O espetáculo é dividido em três sessões; músicas do repertório erudito afro brasileiro; músicas do repertório afro diásporo, as músicas de tradição iorubá e a dança. Embalado de muito axé, ele é composto pela cantora Ana Clara Ferraz, pelo percussionista Otavio Achkar, pela dançarina Adnã Alves e pelo músico Henrique Simas.

O Canto dos Escravos
Bate Canela
19:00 - 19:40
Local: Auditório do IA
Classificação: Livre

Show que relê o antológico álbum "O Canto dos Escravos". Com uma instrumentação ímpar, o trio formado por vozes, contrabaixo elétrico e quinteto de congas traz uma nova leitura de um grande clássico no que diz respeito a registros de cantos de trabalho no Brasil.

Do Avesso
Paula Lins
19:50 - 20:30
Local: Auditório do IA
Classificação: Livre

Do avesso do encontro com a outra e da espera. Do vazio na janela, solidão e infinitas possibilidades de preenchimento, se desdobra a poética que entrelaça as canções do show de composições de Paula Lins. Fruto do trabalho coletivo de arranjo, essa realização pretende consumar o desejo que carrega de comunhão, de falar perto e de ser aconchego.

APretaQueHabito
Giovanna Machado e Monique Caetano
21:00 - 22:00
Local: BDZ
Classificação: 18 anos

A Preta que Habito é uma banda de Campinas formada, atualmente, por Giovanna Machado e Monique Caetano, duas mulheres negras que se encontraram nesse mundo e a partir desse encontro perceberam que tinham muitas coisas e vivências em comum. A Preta que Habito traz em suas letras a carga de como é habitar uma pele negra nesse sistema falho, que insiste em nos negar e nos matar. Uma das principais vertentes da banda é o Feminismo negro, empoderamento coletivo, entre outras. Do Trap ao samba, do funk ao folk, do pop ao Rap e toda a multiplicidade que é essa banda, elas vem cantando, encantando e tremendo o chão, com toda força e talento para tomar de volta tudo aqui que lhes foi tirado.

Josyara
22:15 - 23:15
Local: BDZ
Classificação: 18 anos

Baiana de Juazeiro, Josyara, um dos nomes mais expoentes da nova MPB, vem ao FEIA mostrar as poderosas canções de seu último disco Mansa Fúria, cantadas ao violão e voz.

Concurso de Drag da Família Pepper
João Speckart
23:30 - 01:30
Local: BDZ
Classificação: 18 anos

Apresentação de número artístico criado durante a oficina e concurso de drags.

Esta atividade conta com interpretação simultânea em LIBRAS

deslocamentos de afetos
Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli
11:00 - 15:00
Local: Vão do PB
Classificação: Livre

Nessa exposição itinerante, temos interesse em expandir nossos espaços e contribuir de maneira coletiva à universidade. Traçando linhas de percursos, Deslocamento de Afetos encontra quem cruzar esse caminho. Com artistas de Campinas e da graduação de Artes Visuais, a exposição conta com pinturas, livro de artista, litogravuras, objetos escultóricos e recursos digitais, todas com objetos táteis e/ou narrativas (recursos de acessibilidade). As artistas Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli foram curadas por Elis László, Larissa Mendes, Pedra, Victor Santos e Rachel Zuanon Dias. Convidamos todas a nos encontrar no ponto de interseção.

Essa exposição conta com monitoria objetos táteis que permitem a pessoas cegas experienciar as obras

Happening MANADA
A GRUPA
12:30 - 13:30
Local: Marco Zero
Classificação: Livre

Esta ação performativa é fruto de três dias de residência artística e compartilhamento de práticas do processo criativo da Grupa. As intérpretes-criadoras deste acontecimento conjunto buscam deslocar-se de seus lugares habituais de humanidade, desvinculando-se de padrões de corpo, postura, comportamento, olhar… as corpas buscam outros animais para construírem-se quimeras, em bando (em manada), colocam-se juntas nos espaços que ocupam, devorando-o, bagunçando-o, tensionando as normas que os regem.

Camerata de Violões de Campinas
12:00 - 13:00
Local: Auditório do IA
Classificação: Livre

Samba, choro, jazz, rock progressivo, baião, música clássica... uma mescla de diversos gêneros musicais e influências estilísticas dão origem ao disco Mosaicos, da Camerata de Violões de Campinas - formada por um octeto de violões.

Encontro Encruzilhada entre Artistas
Luhdy Sardinha, Cauê Moreira e Adailton Gomes Moura
14:00 - 16:00
Local: Estúdio da Midialogia
Classificação: Livre

Uma roda de conversa entre artistas de Campinas e região (e demais interessades) com diferentes trajetórias que se interseccionam nos desafios da autonomia profissional. Os temas de abertura da conversa serão formalização profissional para artistas, privacidade na internet (quebrando as regras), e estratégias de comunicação para artistas.

Projeto Hiroshige
André Bordinhon
15:00 - 15:50
Local: Sala de Cinema da Casa do Lago
Classificação: Livre

O guitarrista André Bordinhon atualmente desenvolve o Projeto Hiroshige, que consiste na coleção de pequenas peças livremente improvisadas inspiradas em cada uma das gravuras da série "Cem vistas famosas de Edo", do artista japonês Utagawa Hiroshige (1797–1858).

Janelas Para Uma Mulher
Juliana Calligaris
16:00 - 17:00
Local: AC04
Classificação: 14 anos

Pensamos habitar lugares, mas habitamos recortes no tempo. O dia e a noite. As fases da Lua. As estações do ano. O período letivo. A história da humanidade. A idade. Os meses. A duração do espetáculo. A grade de programação da TV. A gravidez e o parto. A reunião. A felicidade. O amor. O silêncio. Uma Atriz reflete estados em que somos colocados perante o tempo, a sociedade, os nossos rituais, os nossos medos, os nossos ridículos, as nossas vontades. Busca-se transitar, no mínimo tempo, entre experiências sensoriais, sem uma narrativa linear, privilegiando as sensações provocadas pela própria natureza da ação física desenvolvida para dar conta de cada cena.

Dança Cultural Indígena Contemporânea
Klymak Junior, Salomão Meireles, Kamile Padilha, Daniela Rodrigues e Mariane Barbosa
17:30 - 18:00
Local: Museu Exploratório de Ciências
Classificação: Livre

Apresentação cultural dos acadêmicos indígenas da Unicamp que mostra sua cultura do norte do país.

VerVer
18:00 - 18:30
Local: Museu Exploratório de Ciências
Classificação: Livre

Nos propomos a, através da composição e execução de uma série de canções, debater, exaltar, trazer a tona, analisar e comentar aspectos da cultura e política que moldam a vida dos brasileiros. Uma viagem que parte do âmago dos pensamentos e angústias pessoais, pelos encontros íntimos ou não e sobe até falas diretas sobre eventos políticos. Julia Aquino: voz Gabriel Gaertner Falcão: guitarra e violão Lucas Linardi Carrasco: guitarra Matheus Vazquez Miguel: bateria Renan Alonso de Aquino Rosa: baixo vertical

Ceano
19:00 - 19:40
Local: Museu Exploratório de Ciências
Classificação: Livre

Em transição entre o seu segundo disco e o seu próximo lançamento, a Ceano apresenta um show composto apenas por músicas autorais. As nuances da apresentação caminham entre o indie, emo e MPB e os temas apresentados remetem aos descontentamentos do ideal imposto à vida moderna e à liquidez nos relacionamentos interpessoais. André Vinco: guitarra e voz Leonardo Rodrigues: baixo Otávio Oliveira: guitarra Arthur Balista: bateria

Bedhead Badhead
Giovanna Berga, Jay Whitaker, Pablo de Morais, Gabriel Silva e Henrique Soldatti
20:00 - 20:45
Local: Museu Exploratório de Ciências
Classificação: Livre

Apresentando seu repertório autoral, o grupo campineiro pretende explorar propostas de apresentação ao vivo do gênero synthpop, encontrando soluções criativas e visando estabelecer um diálogo e uma troca de experiências técnicas com os demais artistas participantes do festival, bem como com os estudantes do Instituto de Artes da Unicamp.

Forró no Ademir
Carcunda de Rapina + Cabô Sossego + discotecagem O'Rosa
21:00 - 02:00
Local: Bar do Ademir
Classificação: 18 anos

Noite Feia de rastapé no Bar do Ademir.

deslocamentos de afetos
Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli
14:00
Local: Estação Cultura
Classificação: Livre

Nessa exposição itinerante, temos interesse em expandir nossos espaços e contribuir de maneira coletiva à universidade. Traçando linhas de percursos, Deslocamento de Afetos encontra quem cruzar esse caminho. Com artistas de Campinas e da graduação de Artes Visuais, a exposição conta com pinturas, livro de artista, litogravuras, objetos escultóricos e recursos digitais, todas com objetos táteis e/ou narrativas (recursos de acessibilidade). As artistas Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli foram curadas por Elis László, Larissa Mendes, Pedra, Victor Santos e Rachel Zuanon Dias. Convidamos todas a nos encontrar no ponto de interseção.

Essa exposição conta com objetos táteis que permitem a pessoas cegas experienciar as obras

Cortejo Bloco Matuá
Flautins Matuá
13:30 - 15:00
Local: Praça do Coco
Classificação: Livre

O Bloco Matuá é um grupo musical criado em 2011 pelo grupo Flautins Matuá para brincar o carnaval cultural de Barão Geraldo (Campinas/SP). O bloco convida o público de todas as idades a dançar ao som de um repertório inspirado no carnaval nordestino, apresentando composição de mestres da cultura popular, com ritmos tradicionais brasileiros, como o coco, frevo, o baião, o xote, a ciranda, com a sonoridade dos pífanos e das percussões brasileiras. O grupo é composto por artistas de diferentes linguagens, e de apreciadores de todas as idades da cultura popular brasileira.

Um pouco de tudo, com pitadas de nada
Plataforma Panelinha
15:00 - 16:00
Local: Praça do Coco
Classificação: Livre

É uma performance em trânsito - de intervenção e instalação, que convida todos a criarem danças enquanto se movem pelo espaço. Nesse passeio de exploração, o corpo e o movimento criam paisagens, cenários, fotos e instalações coreográficas. A estrutura cênica se dá pelos corpos, na relação com os elementos lúdicos e os objetos disparadores das ações: bexigas, bolhas de sabão, tecidos fitas de demarcação. O som, as cores e o espaço compõem as cenas dançadas que aparecem e desaparecem no desenrolar das relações criadas pelos/entre os participantes. Um punhado de movimentos, gotas de criatividade, pitadas de composição, um toque de improviso e diversão a gosto.

Egrégora Mundana
16:00 - 17:00
Local: Praça do Coco
Classificação: Livre

O show "Egrégora Mundana" apresenta o trabalho inicial desenvolvido pelo grupo de mesmo nome, que vem estudando temas e sonoridades de diferentes partes do mundo, iniciando seus processos em uma prática instrumental orientada pelo Professor Zé Alexandre. O grupo tem como norteadores, dois grupos brasileiros que pesquisam e recriam músicas do mundo: o Mawaca e o Projeto Música dos Povos. Será apresentado releituras de temas de países como Macedônia, Romênia, Síria, Colômbia, Chile e outros lugares, como uma música feita para o grupo, composta pelo percussionista e cantor moçambicano, Otis Selimane.

Cultura de Existência
Diogo Nazareth
17:30 - 18:30
Local: Praça do Coco
Classificação: Livre

"Cultura de Existência" une ritmos e toques afro brasileiros à harmonia do choro e beats do hip hop. A prospecção de um “pré-sal musical” de ritmos que dividem a matriz africana com o Samba, mas seguem ignorados na produção musical atual: essa é a proposta de Cultura de Existência, primeiro álbum de Diogo Nazareth.

Bateria Alcalina
18:30
Local: Praça do Coco
Classificação: Livre

A Bateria Alcalina nasceu em 2003 em Campinas com um trabalho de expressão musical popular. Com um repertório que reúne samba e ritmos afro-brasileiros, valoriza a diversidade rítmica e cultural brasileira.

deslocamentos de afetos
Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli
10:00
Local: Estação Cultura
Classificação: Livre

Nessa exposição itinerante, temos interesse em expandir nossos espaços e contribuir de maneira coletiva à universidade. Traçando linhas de percursos, Deslocamento de Afetos encontra quem cruzar esse caminho. Com artistas de Campinas e da graduação de Artes Visuais, a exposição conta com pinturas, livro de artista, litogravuras, objetos escultóricos e recursos digitais, todas com objetos táteis e/ou narrativas (recursos de acessibilidade). As artistas Argênide Ghini, Carolina Costa, Eduardo Moric, Grupo Políptico, Grupo Qüeio, Lanú Nalú, Lucca Rolim e Rafael Ghiraldelli foram curadas por Elis László, Larissa Mendes, Pedra, Victor Santos e Rachel Zuanon Dias. Convidamos todas a nos encontrar no ponto de interseção.

Essa exposição conta com objetos táteis que permitem a pessoas cegas experienciar as obras

CAVALA
Maria Beraldo
20:00 - 21:00
Local: Estação Cultura
Classificação: Livre

Maria Beraldo, após ter se consagrado em 2018/19 como uma das mais importantes cantoras/compositoras do universo LGBT, volta ao seu local de formação para nos presentear com um show do seu disco de estreia, CAVALA, de música pop contemporânea.

ações formativas

inscrições encerradas
mídia
LABORATÓRIO: Processos de Curadoria para Festivais de Cinema
Ministrantes: Clarisse, Mariana Maurer e Roberto Limberger
07/10 a 09/10
09:00 - 12:00
Local: AC08
15 VAGAS

O laboratório de processos de curadoria para festivais de cinema abordará diferentes formas de se realizar a escolha de filmes para festivais e mostras e as especificidades destes processos seletivos. Através de exposição teórica, estudos de caso e atividade prática os participantes terão a oportunidade de discutir sobre e vivenciar brevemente o papel de um curador.

Público Alvo: Pessoas interessadas pelo tema. Faixa etária a partir dos 16 anos. Não há necessidade de conhecimento prévio.

Inscrever-se
Oficina de Video Artvista Lesbo-Gay-Trans Feminista
Ministrante: Maria Angelica
07, 08, 09 e 11/10
10:00 - 13:00
Local: Lab Terra Mãe
12 VAGAS

Propomos desenvolver práticas, utilizando a tecnologia do vídeo, com pessoas de diferentes gêneros e orientações sexuais, criando ao final, um produto audiovisual sobre a temática da diversidade. A idéia básica é produzir um vídeo que seja parte de um processo de auto-conhecimento, tanto do ponto de vista técnico, do fazer audiovisual, como também do ponto de vista da produção de conteúdos que respeitem a diversidade e desvende para xs próprixs participantes, seus pensamentos e suas descobertas, (processos recorrentes em realizações sobre temáticas não vivenciadas ou não questionadas).

Público Alvo: qualquer pessoa que queira participar de um processo de realização de vídeos sobre temáticas relacionadas à diversidade.

Inscrever-se
How to Basic: Podcast
Ministrantes: Lud Cavalcanti Sardinha e Guilherme Augusto Campos Costa
08/10
14:00 - 18:00
Local: Maloca Arte e Cultura
15 VAGAS

Como fazer um podcast? Por onde começar? A oficina pretende introduzir uma breve história do podcast e da podosfera, apresentar métodos de desenvolvimento, roteirização e de realização de um podcast.

Público Alvo: Interessades a partir de 14 anos.

Essa atividade não requer inscrição prévia
Construindo o olhar fotográfico
Ministrante: Mariana Lima
07, 08, e 10/10
10:00 - 13:00
Local: Sala de TV da Midialogia
15 VAGAS

A oficina pretende abordar questões técnicas e filosóficas acerca da produção fotográfica e a construção de um olhar voltado a essa ferramenta. Será dividida entre 02 encontros teóricos e 01 prático, onde acompanharei os participantes em uma saída fotográfica, explorando um tema a ser concebido pelos participantes em sua individualidade. Câmera fotográfica necessária (podendo ser qualquer uma, inclusive a do celular), mas não é um impedimento para a realização da oficina.

Público Alvo: qualquer pessoa interessada em desenvolver habilidades visuais através da fotografia, seja para registro amador ou profissional.

Inscrever-se

artes cênicas
Quem tem medo do Barba Azul - Histórias de Heroínas
Ministrante: Julia Prudêncio
07 a 11/10
09:00 - 12:00
Local: AC06
20 VAGAS

Partindo do conto Barba Azul e das histórias reais trazidas pelas participantes, a oficina Quem tem medo do Barba Azul - Histórias de Heroínas, voltada exclusivamente para o público feminino (abrangendo todes que se identifiquem como tal), pretende criar um ambiente de liberdade para troca e criação artística a partir da temática da violência de gênero. Mesclando suas histórias com a história da jovem protagonista do conto, que derrota seu marido algoz e se liberta da morte, as participantes são conduzidas à criação de uma performance artística, apresentada abertamente como fechamento das atividades da oficina.

Público Alvo: mulheres acima de 16 anos, com ou sem experiência prévia com teatro.

Inscrever-se
O Teatro Cego e os Signos Não-visuais na Construção da Cena
Ministrante: Victor Hugo Camargo de Sousa
09 a 11/10
09:00 - 12:00
Local: Estúdio da Midialogia
15 VAGAS

O teatro, do grego "theatron", ou "lugar de onde se vê", é uma arte extremamente visual. Ao apagar as luzes e fazer um espetáculo na escuridão completa, no entanto, o argentino Ricardo Sued mostrou, em 1991, como audição, tato, olfato e paladar são igualmente potentes para se construir e perceber a cena e o mundo ao redor. Nessa oficina, o ministrante Victor Sousa parte do mesmo princípio e, através de exercícios para a sensibilização dos canais perceptivos, vai buscar mostrar como é possível enxergar o teatro sem o uso dos olhos. Victor é estudante de Artes Cênicas na UNICAMP, e atualmente desenvolve a pesquisa de Iniciação Científica "O teatro cego e a articulação de signos não visuais na condução da fábula", com financiamento da FAPESP.

Público Alvo: atores, dançarinos, diretores, estudantes de teatro e interessados na temática.

Inscrever-se
Concurso de Drag da Família Pepper
Ministrante: João Pedro Martins Speckart e Juliana Eiras
07 e 09/10 (apresentação dia 11/10 no BDZ)
09:00 - 13:00
Local: AD04
10 VAGAS

Uma plataforma para a arte drag. Seja king, queen ou queer, iniciante ou experiente, esse será um espaço de acolhimento e incentivo. Ofereceremos um momento para o desenvolvimento das performances e outro para o concurso. Venha brilhar conosco!

Público Alvo: pessoas de qualquer idade interessadas em arte drag, e que já levem uma pequena proposta/desejo como material de criação.


Esta atividade conta com interpretação simultânea em LIBRAS

Inscrever-se
O Palhaço que Cria o Cosmos
Ministrante: Pamela Leoni
10 e 11/10
09:00 - 12:00
Local: AD05
20 VAGAS

A oficina irá introduzir os participantes em estados de jogo e autenticidade da palhaçaria para, posteriormente, trabalhar mitos de diversas culturas a respeito da criação do universo. O encontro do simbolismo cosmogônico e a palhaçaria será vivenciado em improvisos para que as imagens mitológicas estimulem as potências específicas de cada participante.

Público Alvo: interessades a partir de 16 anos.

Inscrever-se

dança
Oficina Modos de Ficção
Ministrante: Grupo VÃO
07/10
10:00 - 12:00
Local: AC05
30 VAGAS

Através de procedimentos corporais desenvolvidos pelo Grupo VÃO, essa oficina é um convite à ficção, à perceber com precisão o presente e o delírio coletivo no que diz respeito a influência do contexto dos anos 90 no Brasil. Nos abrindo como um buraco no tempo, trabalharemos as sensações de familiaridade e desconforto, trazendo o pop enquanto matéria encarnada de uma dança que provoca ao mesmo tempo que simplesmente é em sua potência máxima de contágio.
Ao som de muita música pop, serão propostas diferentes abordagens de dublagens como caminhos para intensificar a experiência performativa e trabalhar com princípios moventes como contaminação, intensidade e reverberação. “Modos de ficção” é portanto uma maneira de não somente compartilhar a pesquisa, as práticas e as referencias, relacionadas ao processo de criação da performance "No hay banda é tudo playback", como também uma oportunidade de mergulhamos numa espécie de revisão, no sentido de “ver de novo”, a realidade na força de construção de um imaginário de corpo pautado pela forte influência dos programas de televisão e da publicidade durante o período de maior avanço neoliberal no país.
"No hay banda é tudo playback" surge na velocidade de um vômito violento como resposta a toda atrocidade e retrocesso pelo qual estamos passando em escala global e esta oficina é um modo de praticar a dança enquanto possibilidade de mobilizar e expurgar esse incômodo.

Público Alvo: interessades em geral; estudantes e profissionais de artes cênicas, dança, artes visuais, midialogia e música.

Inscrever-se
Dudu Ijó: ancestralidade e corporeidade
Ministrante: Ana Clara da Silva
07 e 08/10
09:00 - 10:00
Local: AD05
20 VAGAS

O grupo Dudu Orin tem para além do espetáculo a oficina “Dudu Ijó: ancestralidade e corporeidade” de ritmos e danças afro-brasileiras. A oficina parte da necessidade de compor um espaço possível e criador. Em um discurso onde todos os presentes sejam capazes de se conhecerem e reconhecerem nas relações transatlânticas. Realizar uma oficina na qual as estéticas e conceitos africano-brasileiros presentes na proposta e no imaginário dos indivíduos e a rotina de corpos em diásporas estejam juntamente com as memórias individuais e coletivas, pretende-se chegar a uma experiência poética, sensível e consciente.

Público Alvo: qualquer pessoa acima de 15 anos. Não exige experiência prévia com artes corporais.

Inscrever-se
Na Pisada do Brincante: a dança popular como elemento técnico na preparação corporal
Ministrante: Doroti Ferreira Martz
07 e 08/10
10:00 - 12:00
Local: AD06
20 VAGAS

A oficina visa experienciar matrizes de danças populares brasileiras, corpo cênico. Apresenta enquanto objetivos, proporcionar uma amplitude de repertório corporal para a cena e, desenvolver uma maior consciência do corpo e espaço.

Público Alvo: atores, dançarinos, pesquisadores das artes do corpo e interessados na cultura popular.

Inscrever-se
Oficina de Capoeira
Ministrante: Trenel Mariana
08/10
16:00 - 18:00
Local: Maloca Arte e Cultura
20 VAGAS

Uma vivência de treino de capoeira com a Trenel Mariana da Escola de Capoeira Angola Resistência, que conduz o treino na Maloca Arte e Cultura às segundas-feiras às 19h30.

Público Alvo: todos os públicos.

Essa atividade não requer inscrição prévia
MANADA
Ministrante: A GRUPA
09 a 11/10
09:00 - 12:00
Local: AC11
20 VAGAS

MANADA propõe uma residência a partir da necessidade de questionar e se libertar do corpo aprisionado por diferentes códigos éticos, estéticos e comportamentais a partir da exploração de estados selvagens, trabalhar criativamente com as corporeidades e fisicalidades entre as várias humanidades. A residência conta com três dias consecutivos de práticas corporais, finalizando com um happening na Unicamp que será elaborado e apresentado pelos participantes da residência a partir das explorações na residência.

Público Alvo: interessades em dança e performance a partir de 14 anos.

Inscrever-se
Experimentações em Dança e Escalada
Ministrante: Ana Carolina de Araujo, Wanessa Di Guimarães e Thaís dos Santos
09 e 11/10
14:00 - 18:00
Local: Parede de Escalada da FEF
12 VAGAS

A oficina busca compartilhar com o público parte da pesquisa desenvolvida pelo Coletivo Invertido desde 2013 sobre apropriação dos espaços vertical e aéreo para desenvolvimento de processos criativos. Foco na experimentação dos espaços, por meio de exercícios de reconhecimento da prática da escalada, abordando tanto materiais e estruturas quanto o treinamento técnico específico, além de exercícios de preparação corporal no solo e jogos de criação cênica na parede de escalada.

Público Alvo: estudantes e profissionais das artes da cena e interessados no geral.

Inscrever-se
Escuta do Corpo e Presença Cênica
Ministrante: Jussara Miller
11/10
10:00 - 12:00
Local: AD04
20 VAGAS

A oficina propõe a investigação do movimento para potencializar o estado de presença com enfoque na escuta do corpo, contextualizando a preparação do corpo cênico a partir do referencial somático com a prática da Técnica Klauss Vianna.

Inscrever-se
Despertar da Dança com Bambolê
Ministrante: Janaina Jara Passos de Oliveira
12/10
12:00 - 13:30
Local: Praça do Coco
15 VAGAS

Despertar o lúdico no corpo adulto através do bambolê, despertar o corpo colocando-o em movimento, abrir o olhar para novas possibilidades de criação com o Bambolê.

Público Alvo: a partir de 16 anos.

Inscrever-se
artes visuais
Roda de Conversa: Mediação Cultural e Acessibilidade: intersecções entre práticas educativas e o acesso de diferentes públicos à espaços culturais
Ministrante: Ana Luisa Cruz Nunes e Isabelle Santos da Silva
07/10
10:00 - 16:00 (pausa das 12:00 às 14:00 para almoço)
Local: GAIA
20 VAGAS

Dada a formação incipiente das modalidades Educação Museal e Mediação Cultural dentro dos cursos de artes e das licenciaturas de maneira geral, essa oficina se propõe uma roda de conversa sobre o tema abordando os seguintes aspectos: Histórico da Educação Museal no Brasil, profissionalização do educador museal/mediador cultural, metodologias e didáticas específicas desta modalidade educativa, discussão à respeito do conceito de acessibilidade cultural, entre outras problemáticas da área.

Público Alvo: estudantes de artes, educadores e interessades no geral a partir de 16 anos.


Esta atividade conta com interpretação simultânea em LIBRAS

Inscrever-se
#Ressignifique!
Ministrante: Ateliê TRANSmoras
11 e 12/10
10:00 - 12:00
Local: Ateliê TRANSmoras (Moradia Estudantil da UNICAMP)
20 VAGAS

Uma imersão artística no Ateliê TRANSmoras com experimentação do próprio corpo por meio de processos coletivos com materiais upcycling e costuras manuais. A estilista Vicente Perrotta e a fotógrafa Rafa Kennedy convida o público a criar uma nova imagem com dispositivos e acessórios que através do processo de ressignificação questionem o gênero e padrões estéticos sociais.

Público Alvo: todos os públicos.

Inscrever-se
Estéticas Macumbeiras na Clínica da Efemeridade
Ministrante: Castiel Vitorino Brasileiro
09, 10 e 11/10
09:00 - 12:00
Local: AP07
20 VAGAS

O curso pretende cartografar a complexidade de práticas artistas que se forjam numa encruzilhada epistêmica, formada com arte, macumbaria e psicologia, compreendendo tais relações como processos decoloniais e ferramentas clínicas de cura e sobrevivência. Durante 3 encontros de 3h, nos dedicaremos à investigações práticas-teóricas de corporificação e incorporificação anti-racistas e não-cisgêneras.

Público Alvo: todos os públicos.


Esta atividade conta com interpretação simultânea em LIBRAS

Inscrever-se
Gravura em Embalagens Longa Vida
Ministrante: Natália Gregorini
11/10
14:00 - 18:00
Local: Ateliê de Gravura
10 VAGAS

Seguindo os mesmos princípios da ponta-seca, técnica da gravura em metal, a gravura em embalagens longa vida é feita em um material que possui base laminada de alumínio e por isso permite com que se possa desenhar com uma ponta-seca, aplicar e limpar a tinta tal qual se faz em uma matriz de metal, porém, com particularidades como manchas e marcas de dobra característicos desse material. Por ser uma matriz de papel, também é possível utilizá-la de forma próxima à colagem.
As embalagens possuem também a vantagem de ser um material em reutilização, o que torna a técnica mais barata e sustentável. Nesta oficina os participantes poderão experimentar essas possibilidades da gravura em embalagens longa vida criando matrizes a partir de seus próprios desenhos e realizando todo o processo de gravação e impressão.

Público Alvo: a partir de 12 anos.

Inscrever-se
Xilomóvel: Ateliê Itinerante
12/10
12:00 - 15:00
Local: Praça do Coco

O Xilomóvel é um ateliê itinerante, equipado com todo o material necessário para a prática da xilogravura. Formado pelos artistas Luciana Bertarelli, Marcio Elias e Simone Peixoto, o projeto foi criado em 2009 e desenvolvido como manifestação artística e como ferramenta educacional. Todo o equipamento do ateliê é transportado em um automóvel - uma Veraneio 1976.

Público Alvo: a partir de 12 anos.

Essa atividade não requer inscrição prévia
Oficina de Carimbo: intervenção e artes gráficas
Ministrante: Isabela Vita
08/10
09:00 - 13:00
Local: AP10
20 VAGAS

A oficina de carimbo (intervenção e artes gráficas) tem como objetivo desenvolver o processo criativo relacionado à poética da repetição e à necessidade da intervenção artística e urbana, bem como apresentar o carimbo como uma técnica inserida na gravura e nas artes gráficas. A oficina, de caráter teórico-prático, contará com uma conversa sobre a história do carimbo nas artes visuais, com enfoque na intervenção artística e urbana, além da criação de seus próprios carimbos através da técnica da borracha e do E.V.A. O carimbo como poética, mensagem e potência na arte correio.

Público Alvo: artistas e qualquer pessoa interessada em conhecer a arte do carimbo e suas potencialidades nas artes.

Inscrever-se


Herbário: Linguagem artística, interpretação espacial e pertencimento
Ministrante: Carolina Costa
11/10
09:00 - 13:00
Local: AP10
25 VAGAS

Um herbário é um acervo catalogado de plantas, útil para a obtenção de informações para a botânica, química, agronomia, e outras áreas de pesquisa. As plantas são armazenadas em exsicatas, que se compõem da própria planta seca, prensada em estufa e fixada em um papel especial, com etiqueta indicando seus dados. As exsicatas são guardadas de forma sistemática, e protegidas em condições de temperatura e higiene para evitar a deterioração das amostras. Nesta oficina pretende-se pensar o herbário além de sua natureza objetiva de pesquisa científica, tratando-o como questão poética e artístico-visual, de abordagem subjetiva. Para isto, o tempo será dividido entre teoria, com um breve histórico do herbário nos contextos da ciência e da arte contemporânea, e prática, com caminhada, coleta de plantas pelo campus e execução de duas exsicatas: uma tradicional e outra partindo de experimentações materiais com as plantas colhidas.

Público Alvo: interessades a partir de 14 anos.

Inscrever-se

música
Oficina Claves Cubanas
Ministrante: Adriel Job
07 e 09/10
10:00 - 12:00
Local: MU35
15 VAGAS

A oficina pretende promover uma compreensão crítica a respeito do desenvolvimento rítmico brasileiro e cubano, assim como a relação entre os dois universos, a partir de uma análise histórica e estudos com a vivência de claves e desenhos rítmicos desse universo musical. Através da oralidade e escrita rítmica, aprofundaremos o debate sobre as problemáticas da transcrição gráfica musical, baseada em uma escrita tradicional europeia que não traduz as nuances dos microritmos na música de matrizes brasileiras e cubanas.

Público Alvo: músicos/musicistas e interessades no geral a partir de 14 anos.

Inscrever-se
Oficina de Afoxé
Ministrante: Diogo Nazareth
08 e 10/10
10:00 - 12:00
Local: MU35
15 VAGAS

Afoxé é uma manifestação afro brasileira intimamente ligada a cultura religiosa do candomblé. Patrimonio imaterial da Bahia desde 2010, a manifestação do Afoxé traz em sua essência o canto, o toque, a dança e a exaltação a cultura afro brasileira num grito contra a intolerância religiosa. Essa Oficina propõe compartilhar o conhecimento do ritmo do Afoxé, bem como seus cantos e sua cultura ancestral.

Público Alvo: interessades a partir de 14 anos.

Inscrever-se
Luteria Educacional: confecção de ocarinas
Ministrante: Igor Abdo Aguilar
09 a 11/10
09:00 - 12:00
Local: AP01
16 VAGAS

Uma prática divertida para aprender a confeccionar ocarinas de cerâmica, prática fruto das pesquisas de Iniciação Científica do Ministrante voltado para a Pedagogia Musical.

Público Alvo: músicos/musicistas, artistas visuais, e interessades no geral.

Inscrever-se
Musi-ecologia na Luteria Educacional: confeccionando instrumentos e ajudando o meio ambiente
Ministrante: Igor Abdo Aguilar
12/10
10:00 - 13:00
Local: Praça do Coco
20 VAGAS

Prática lúdica de confecção de instrumentos a partir de material reciclável.

Público Alvo: interessades a partir de 12 anos.

Inscrever-se